Segunda-feira, 20 de setembro de 2021
informe o texto

Artigos | CIEBRA

Quem tem medo de Lula?

Lula não é e nem será candidato a nada em 2022

25/08/2021 - 10:44 | Atualizado em 25/08/2021 - 11:06

Foto: Ricardo Stuckert/divulgação

Levar em consideração a presença de Lula na feitura de pesquisas e pretensas pré articulações políticas, é simplesmente não entender ou querer cegar-se à realidade objetiva da política brasileira de que, Lula não é e nem será candidato a nada em 2022.

Vamos começar a analisar da geopolítica para a micropolítica.
 
1 – No dia 17 de março desse ano, Lula concedeu uma entrevista para a CNN americana. Estava falando para a elite de Wall Street, para parte significativa do “Deep State” americano, para as Big Tech’s, o Silicon Valley e setores mais progressistas do partido democrata. Não houve nenhuma sinalização positiva em direção a Lula ou ao PT dessas forças políticas e econômicas americanas.
 
2 – Em 19 de março, o Le Monde publica uma entrevista com Lula. Lá estava ele tentando se comunicar e mostrar-se viável para a OTAN, a União Europeia (principalmente para França, Inglaterra e Alemanha), o Conselho Atlântico e acenou para o Papa Francisco. Aqui também, não conseguiu apoio nenhum para sua candidatura em 2022.
 
3 – O atual governo Biden/Harris é a versão Obama/Biden 3.0. Kamala Harris (a atual vice-presidente americana) nada mais é do que a mão forte dos Clintons na Casa Branca. Quem foi que deu estrutura, corpo, apoio e financiamento para o impeachment de Dilma Rousseff em 2016, numa estratégia comum ao Estado americano de “Guerra Não-Convencional”, “Guerra Híbrida” e “Revolução Colorida”? Exatamente Obama/Biden 1.0 e 2.0 que cacifaram tudo. Derrubaram Dilma e colocaram Lula na cadeia. Todos os atores que estavam operando na derrubada do PT estão no entorno do presidente Biden. Victoria Nuland, Wendy Sherman, Tony Blinken, Jake Sullivan. Ou seja, são os mesmos personagens da época.
 
O Estado americano e o governo americano até agora, não indicaram que farão um giro de 180 graus para apoiar Lula. Não é a lógica deles e nem está na lista de prioridades. Todos os indicativos apontam que o governo americano não apoiará Lula em 2022.
 
4 – Lula não pode se valer dos adversários naturais dos EUA na nova ordem geopolítica, China e Rússia, porque como é de conhecimento estratégico, esses dois players globais, desde os anos 80 não interferem nos caminhos da política brasileira num nível de alteração drástica dos cenários eleitorais. Não existe nem um tipo de sinalização partindo de Moscou através de Sergey Lavrov, bem como de Pequim, através de Wang Yi. Lula está isolado internacionalmente.
 
5 – Na América do Sul a situação não é muito diferente. Historicamente sempre foi o Brasil que, utilizando de sua liderança regional, robustez econômica e amplo diálogo com os EUA e a Europa, ajudaram a constituir lideranças e projetos na sul américa. Não o contrário. Outrossim, vejamos quais forças políticas estão comandados os países sul-americanos:
 
1 – Brasil: Direita
2 – Bolívia: Direita
3 – Colômbia: Direita
4 – Paraguai: Direita
5 – Chile: Centro Direita
6 – Uruguai: Centro Direita
7 – Equador: Centro
8 – Peru: “Em disputa no momento em que está sendo escrita essa análise”
9 – Argentina: Esquerda
10 – Venezuela: Esquerda
11 – Suriname: Centro Esquerda
12 – Guiana: Centro Esquerda
 
É essa realidade que Lula está enfrentando. Numa América Latina profundamente dividida entre interesses nacionais e estrangeiros, com economias afundadas em crises, agravadas pela Covid-19 e com as populações à beira de um colapso na sua renda e o alto índice de desemprego, o que pode fazer Lula? Qual o projeto do PT para o Brasil e para a latino américa? Voltar aos “tempos prósperos” do Lula 1.0 e 2.0? Impossível. O ciclo das commodities, puxado pela industrialização Chinesa, ficou para trás. Quais países continentais ainda restaram que não completaram suas infraestruturas? Índia e África. Nenhum dos dois tem capital interno suficientes para iniciar um ciclo de desenvolvimento a partir dos seus hiatos de infraestrutura. Logo, esqueçam. Não haverá lulismo capaz de resolver os problemas estruturais do Brasil. E ele sabe disso. Fora a Argentina e a Venezuela que poderiam ainda, miseravelmente, dar uma palavra de apoio a Lula, mais ninguém.
 
6 – A realidade objetiva de Lula é a seguinte. No auge do seu processo de soltura, não consegue firmar-se como um polo de força capaz de unificar os partidos de esquerda. Tem dificuldades intransponíveis em dois polos que sempre foram definidores das eleições presidenciais no Brasil:
A – Coalisão de classes para chegar ao poder;
B – Ter maioria das intenções de votos no Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste.
 
Na tragédia que virou o modelo institucional e econômico brasileiro, consagrados pela Constituição de 88 e executados por todos os presidentes seguintes, a destruição dos setores industriais e do trabalho, aniquilaram a mínima possibilidade de reeditar, por exemplo, uma composição de chapa com um industrial, a lá 2002, eficaz para Lula.
 
O ciclo do antipetismo ainda não foi encerrado. Pelo contrário. Está em curso. Os resultados eleitorais de 2016 prá cá, só indicam que o fundo do poço da expectativa popular com o PT e Lula, estão longe de serem atingidos. O que é que tem o PT e Lula de força política e eleitoral real hoje? O PT não conseguiu eleger nenhum prefeito de capital em 2020. São 177 prefeituras, pouco mais de 3% das prefeituras brasileiras. Muitas delas municípios pequenos e muito pobres. Tem apenas 128 deputados estaduais espalhados pelo Brasil. Das 1.059 cadeiras nas assembleias legislativas de todo o país, o PT conta apenas com 128 cadeiras. A menor média histórica disparada do PT. Governa apenas 4 Estados e todos eles numa mesma região, o Nordeste. Tendo ainda um agravante. No Ceará, o governador Camilo Santana (PT), é umbilicalmente ligado a Ciro Gomes (PDT). Inclusive, com enormes possibilidades de migrar de partido caso não haja unidade entre PT e PDT na disputa presidencial - o que é quase impossível de acontecer - perderá então, uma cadeira de governador o PT. No Congresso Nacional, o PT conta com 56 deputados federais e 6 senadores. É exatamente aqui que está a chave de compreensão para traduzir a jogada de Lula e do PT no ano de 2022. Com rejeição ainda histórica e demonstrada por todos os números, a “pseudo candidatura Lula” serve apenas para tentar animar o auditório do eleitorado brasileiro no intuito de manter essas cadeiras no Congresso Nacional, a fim de não perder os quase 500 milhões de reais de Fundo Partidário, pois sabe que o PT não tem a menor chance de eleger um presidente em 2022. Aqui cabe uma pergunta conclusiva. É com esse conjunto minoritário de forças que o PT pretende unificar a esquerda, viabilizar a candidatura do partido e vencer a eleição presidencial? Evidentemente que não. Terão candidato apenas para manter bancada. E esse candidato não será Lula.
 
7 – Lula é inelegível eleitoralmente. As últimas consultas populares através da única ferramenta possível de analisar com algum critério e veracidade, as variações de intenção e rejeição popular a qualquer candidato (pesquisas), trazem uma certeza claríssima: Lula ainda que esteja elegível juridicamente (o que também será quase impossível), não tem poder nem força para eleger-se presidente. Vamos aos números.
Intenção de votos Lula: 32% Rejeição Lula: 56% Lula é conhecido por: 100% dos eleitores.
Todos os especialistas no campo do conhecimento científico político/publicitário, sabem que num cenário como esse, é impossível reverter a rejeição de Lula, impedindo-o de crescer acima de 35%, patamar que ele e o PT tiveram historicamente entre 1989 a 1998, e não foi capaz de elegê-lo. Outro ponto extremamente significativo é de que, numa eleição de dois turnos, como é o caso da brasileira, nenhum candidato com rejeição maior de 50% pode vencer. Se no primeiro turno, a eleição se define a partir da intenção de votos do candidato, no segundo turno, a natureza da eleição inverte. Ela é uma eleição que vencerá, quem tiver menor rejeição. A rejeição de Lula e do PT é extremamente consolidada na mente do eleitor brasileiro. Quem vota, vota. Quem não vota, não vota. É ponto pacífico.
 
8 – Cenário eleitoral para 2022. É certo de que em 2022, teremos no Brasil quatro candidaturas. Uma de direita, uma de centro-direita, uma de centro-esquerda e uma de esquerda. Aparecem naturalmente os nomes do presidente Jair Bolsonaro, do ex-juiz Sérgio Moro, do ex-ministro Ciro Gomes e do candidato do PT (seja quem for). Aqui há uma certeza para dificultar ainda mais a vida do PT, caso, seu candidato (que não será Lula. Mais ainda que fosse) alcance o segundo turno, Ciro Gomes que capitalizará os votos de centro-esquerda, não apoiará o PT num segundo turno, a despeito do que já fez em 2018.
 
9 – Quem poderá ser o candidato do PT à presidência em 2022? Posto que Lula não será candidato a presidente em 2022, surge essa pergunta naturalmente. Partindo de premissas lógicas de escolha, vamos aos possíveis nomes e suas circunstâncias.
 
A – Fernando Haddad: Pesquisas atuais apontam o ex-prefeito de São Paulo com 17% de intenções de votos para o governo paulista. Chegando em abril do no que vem com alguma chance de disputar a cadeira do Palácio dos Bandeirantes, o PT não irá retirá-lo para ser novamente derrotado à presidência. Caso contrário, vai mesmo de Haddad candidato a presidência em 2022.
 
B – Wellington Dias: Atual governador reeleito no Estado do Piauí, Wellington era senador quando licenciou-se para concorrer ao Palácio de Karnak e vencer por duas vezes o governo do Piaui. Irá candidatar-se novamente ao senado e garantir mais uma cadeira para o PT na “Casa Alta” do Congresso Nacional. Lula não irá retirá-lo da disputa no Piauí para fazer dele candidato derrotado ao Planalto em 2022.
 
C – Fátima Bezerra: Atual governadora do Rio Grande do Norte, irá disputar sua reeleição sentada na cadeira do governo. Lula não irá retirá-la da disputa no Rio Grande do Norte correndo o risco de perder além da eleição presidencial, o Palácio de Despachos de Lagoa Nova.
 
D – Camilo Santana: Atual governador reeleito do Estado do Ceará, Camilo irá disputar a única cadeira ao Senado em 2022 no Ceará, pertencente hoje ao senador Tasso Jereissati. Ainda existe a possibilidade do governador Camilo sair do PT por determinação conjuntural do grupo a que ele pertence e que é comandado por Ciro Gomes. Camilo Santana está definitivamente fora dos planos petistas à presidência da república.
 
E – Rui Costa: Atual governador reeleito no Estado da Bahia, Rui pode ser o nome escolhido por Lula para a presidência em 2022, ou ainda tentar a única cadeira em disputa ao Senado na Bahia. Cadeira essa ocupada hoje por seu aliado, Otto Alencar (PSD). O PT retira Rui da disputa do Senado para não rachar a base de apoio ao PT na disputa pelo governo da Bahia e dar de mão beijada o Palácio de Ondina a ACM Neto, ou leva Rui Costa para ser candidato a presidência da república? Esta resposta só quem dará é Lula.
 
F – Jaques Wagner: Senador eleito em 2018 pelo PT na Bahia, Wagner aparece como o mais viável nome na conjuntura petista. Pode licenciar-se do Senado e ser, tanto candidato a governador como candidato a presidência da república sem o PT perder uma cadeira no Senado.

Veremos agora, se a sua resposta para a pergunta que dá título a essa análise ainda é a mesma:
Quem tem Medo de Lula?
 
Núcleo do Análise Política do Ciebra 
09/06/2021

CIEBRA

CIEBRA

Centro Integrado Estratégico Brasileiro
Facebook
Twitter
ciebraprojeto@gmail.com
ver artigos
 

Informe seu email e receba notícias!

Sitevip Internet