Quarta-feira, 24 de abril de 2024
informe o texto

Artigos | Cícero Henrique

Campanha política e marketing eleitoral

19/03/2024 - 18:17

Foto: Arquivo pessoal

A campanha eleitoral de 2024 já está em pleno vapor nos municípios do estado de Mato Grosso, especialmente em Cuiabá e Várzea Grande.

Os pré-candidatos estão  buscando a melhor forma de fazer e aproveitar do marketing eleitoral neste período.

Em uma campanha eleitoral, os candidatos possuem tempo bastante limitado para fazer o público conhecer sua identidade e suas principais propostas. Não é simples fazer isso, já que há vários outros candidatos tentando fazer a mesma coisa. Os principais meios de propaganda, como o horário eleitoral e os debates, nem sempre oferecem a exposição mais desejável. Há candidatos que possuem apenas 10 segundos por bloco de propaganda eleitoral. Como, então, aproveitar os dias de campanha para conquistar o máximo de votos possível?

Isso passa, é claro, por uma boa estratégia de marketing eleitoral. É necessário conhecer e colocar em prática de maneita inteligente recursos de comunicação que candidatos têm à disposição para fazer o eleitor não esquecer de seu nome e número eleitoral.

O aumento da importância do processo eleitoral no controle e distribuição dos benefícios do Estado para a sociedade civil está fazendo com que a disputa por um cargo torne-se mais brutal  a cada pleito, na medida em que os diversos segmentos da população desenvolvem um esforço intenso para eleger o candidato mais afinado com suas idéias e visão de progresso.

Neste cenário de concorrência crescente, o conjunto de técnicas e procedimentos destinados a otimizar o desempenho das candidaturas vem ocupando   lugar   cada   vez   mais   importante, recebendo a designação — bastante genérica — de marketing político.

Embora destinada a um aprimoramento do nível das campanhas, esta expressão aparece freqüentemente ligada a um caráter negativo, associado a práticas totalitárias ou  manipulativas, à esquerda e à direita. Segundo esta visão, qualquer pessoa, desde que devidamente capitalizada e assessorada por “experts” no assunto seria capaz de eleger-se, mesmo que desprovida de idéias ou motivações diretamente relacionadas com representação política.

Isto é falso, assim como no marketing comercial é falsa a idéia de que só uma boa embalagem vende o produto. Não se trata de fazer do candidato um fantoche ou robô programado por um grupo de assessores misteriosos, mas sim da aplicação de um conjunto de procedimentos e técnicas que visa otimizar a utilização dos recursos empregados no decorrer de uma campanha eleitoral. Por serem aplicáveis a qualquer campanha, as técnicas de marketing podem inclusive diminuir um pouco as distorções criadas pelo poder econômico, desde que sejam postas ao alcance de todos os candidatos e por eles entendidas e aplicadas.

Talvez aqui esteja uma das raízes da visão negativa que muitas pessoas têm sobre o tema: na medida em que as assessorias de marketing e os institutos de pesquisa detém o monopólio absoluto deste saber, podem “vendê-lo” por um preço elevado, que somente os candidatos mais endinheirados têm condições de pagar, acentuando um desequilíbrio latente entre as diversas candidaturas e os segmentos que elas representam.
Se o marketing eleitoral pode de fato contribuir para um aprimoramento das instituições democráticas e da classe política (que está com sua imagem bastante desgastada junto à população) é preciso torná-lo mais aberto e acessível, menos parecido com um ritual a ser praticado apenas por iniciados.

O objetivo do marketing eleitoral é tentar auxiliar na difusão dessa técnica, principiando a mostrar por dentro o trabalho das assessorias e  institutos  de  pesquisa,  provando aos candidatos que independentemente dos recursos disponíveis, do cargo disputado e da posição ideológica de cada um, a adoção dessas técnicas virá beneficiar a todos.

É importante ressaltar que marketing eleitoral ajuda muito os candidatos, desde que seja feita de maneira profissional, eficiente, respeitando os valores culturais e sócios econômicos de cada município ou região, porque só assim se "explora" positivamnte o potencial dos candidatos.

Quem ganha com isso é a sociedade que fará sua escolha nas urnas pelas melhores propostas, compromissos, responsabilidade daquele que realmente representa os anseios da população.

Cícero Henrique

Cícero Henrique


Jornalista em Cuiabá
ver artigos
 

Informe seu email e receba notícias!

Sitevip Internet