Segunda-Feira, 19 de Novembro de 2018

Mato Grosso

Quinta-Feira, 21 de Junho de 2018, 12h:50

OPERAÇÃO PEDRA PRETA

Ex-prefeito preso afrontou o judiciário atuando em nome da prefeitura de Torixoréu

Apesar de condenação, Odoni Mesquita, que é marido da atual prefeita de Torixoréu, continuou atuando em nome do município, apesar de ter sido advertido pela Justiça

Redação

Reprodução

Odoni Mesquita Coelho

O Ministério Público Federal em Mato Grosso (MPF/MT), por meio da unidade em Barra do Garças, e a Polícia Federal (PF), desencadearam na manhã desta quinta-feira (21/06) a operação conjunta de combate a organização criminosa responsável por desvios de recursos públicos e lavagem de dinheiro no município de Torixoréu, localizado a 573 km de Cuiabá, na região do Araguaia. A operação foi denominada Pedra Preta, que significa Torixoreu na língua indígena Bororo.

Foram cumpridos mandado de prisão preventiva contra o ex-prefeito e atual secretário de Administração de Torixoréu, Odoni Mesquita Coelho, e de busca e apreensão na prefeitura do município, na residência, na fazenda e em um escritório registrado em nome dele, utilizado para realizar as transações irregulares referentes à prefeitura.

Durante sua gestão como prefeito (2013 a 2016), o ex-Secretário Odoni Mesquita foi afastado do cargo após ser condenado em ação de improbidade administrativa, sendo cassado posteriormente pela Câmara municipal e, depois, já como secretário de Administração da atual gestão, da qual a esposa é a prefeita, também foi afastado do cargo, sendo advertido judicialmente de que o descumprimento da ordem de afastamento poderia ensejar a decretação de sua prisão preventiva.

Mesmo assim continuou realizando funções típicas de administração do município de Torixoréu, tanto é que foi flagrado participando de uma reunião dos municípios do Vale do Araguaia para receber recursos para a saúde, na Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), em Cuiabá, utilizando veículo oficial e representando a administração municipal.

Na denúncia inicial, a investigação apontou que o Secretário de Administração, valendo-se da facilidade de cargo público, a época em que era prefeito de Torixoréu, em dezembro de 2013, desviou R$ 600.577,54 ao ratificar notas fiscais que falsamente atestavam a conclusão da obra de pavimentação de vias públicas por meio do Convênio 76221/2011, firmado entre o município de Torixoréu, Ministério da Integração Nacional e Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (SUDECO), e efetivando o pagamento por meio de transferência bancária. As obras foram realizadas a destempo e com recursos alheios ao convênio. O dinheiro desviado foi utilizado para a compra de uma fazenda em nome de laranjas.

Um trecho da denúncia do MPF/MT também demonstra o aumento vertiginoso de patrimônio enquanto o ex-Secretário estava à frente da gestão municipal, revelando fortes indícios de lavagem de dinheiro.

De acordo com o MPF/MT, as investigações terão continuidade após essa primeira fase da Operação Pedra Preta.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO