Segunda-Feira, 25 de Setembro de 2017

Acordo permite avanço no desenvolvimento do algodão resistente ao bicudo | Caldeirão Político

Mato Grosso

Sexta-Feira, 08 de Setembro de 2017, 08h:28

EXPECTATIVA

Acordo permite avanço no desenvolvimento do algodão resistente ao bicudo

Redação

Reprodução

Expectativa é que em dez anos planta resistente à praga esteja disponível ao produtor

Com o objetivo de acelerar as pesquisas para o desenvolvimento de algodão transgênico resistente ao bicudo do algodoeiro, a Embrapa (Algodão e Recursos Genéticos e Biotecnologia), o Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt), a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), e o Instituto Brasileiro do Algodão (IBA), anunciaram uma parceria de R$ 18 milhões.

"Trabalhamos na modificação de plantas do algodoeiro, introduzindo genes da bactéria Bacillus thuringiensis, que produz toxinas letais para alguns insetos. O trabalho vem sendo realizado em laboratórios e casas de vegetação, havendo ainda muitas etapas a serem percorridas até que uma planta resistente seja cultivada comercialmente. Nossa expectativa é de que em 10 anos teremos a semente desse algodão resistente ao bicudo disponível ao produtor”, destaca, em nota o chefe de gabinete do Ministério da Agricultura, Coaraci Castilho.

Os recursos investidos tem por objetivo desenvolver a Plataforma do Algodão. O projeto tem componentes de curto, médio e longo prazos, possibilitando desenvolver tecnologias diversificadas para combate ao bicudo. Nessas etapas se incluem a prospecção de genes e de promotores moleculares, a transformação genética de plantas de algodão e estudos da eficiência de plantas transgênicas no controle do bicudo em laboratório, casa de vegetação e campo.

O bicudo do algodoeiro afeta todas as regiões produtoras do país e representa custo de US$ 250 por hectare, além de perdas de produtividade e impactos sobre a saúde humana e o meio ambiente. Em uma primeira fase do projeto, serão investidos pela Abrapa aproximadamente R$ 18 milhões durante cinco anos.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO