Terça-feira, 30 de novembro de 2021
informe o texto

Notícias | Executivo

A fusão do DEM-PSL começa azedar

ELEIÇÕES 2022

28/09/2021 - 08:16 | Atualizada em 28/09/2021 - 10:50

Cícero Henrique

A fusão do DEM-PSL começa azedar

Foto: Reprodução

A fusão está azedando o clima entre os Democratas e PSL, no estado de Mato Grosso não é diferente, principalmente depois que o presidente nacional do DEM, ACM Neto, disse que a união dos dois partidos deve liberar adesões eleitorais ao presidente Jair Bolsonaro.

Muitos democratas não concordam com isso, principalmente no estado de Mato Grosso.

​O fato é que o PSL em Mato Grosso quer a todo custo ficar grudado no governador Mauro Mendes porque sabe da sua reeleição, e os cargos são tentadores.

O novo partido que sairá da fusão entre PSL e DEM não será governista, segundo afirmou o ex-prefeito de Salvador, ACM Neto, que assumirá a função de secretário-geral da legenda em formação. Atual presidente do DEM, ele diz, no entanto, que a sigla "não criará constrangimentos" a filiados e diretórios que decidam apoiar o presidente Jair Bolsonaro. A postura é semelhante à do DEM hoje. Oficialmente, a sigla não integra a base aliada, mas tem dois ministros no governo (Onyx Lorenzoni e Tereza Cristina) e maioria das bancadas na Câmara e no Senado alinhada ao Palácio do Planalto.

Um dos objetivos da fusão – que deve criar uma das maiores legendas da atualidade – é lançar candidato próprio ao Palácio do Planalto em 2022. "A gente acha que nasce com musculatura suficiente para isso", afirmou. O dirigente partidário ressaltou que, apesar disso, os diretórios municipais e regionais da nova legenda ficarão livres para apoiar outros candidatos. "Ter candidatura própria a presidente não significa que a gente pretenda estabelecer qualquer tipo de constrangimento para as lideranças e figuras do partido que eventualmente em seus Estados tenham uma situação distinta da nacional", disse.
 

Informe seu email e receba notícias!

Sitevip Internet