Segunda-feira, 6 de dezembro de 2021
informe o texto

Notícias | Executivo

Lula ou Dilma em 2014?

02/06/2012 - 13:00

Políticos são pessoas à frente do nosso tempo. Pelo menos no que diz respeito à disputa eleitoral. Você nem parou para pensar sobre como vai votar daqui a quatro meses para prefeito e eles já estão com a cabeça nos candidatos a governador e presidente em 2014.
Lula deixou o Planalto em 2010 com uma promessa: desbaratar a “farsa” do mensalão.

É só para limpar historicamente o seu governo? Qualquer julgamento sensato indica que é apenas para manter-se como personagem central da política brasileira.Abre-se então o leque de possibilidades eleitorais. Pelos altos índices de aprovação, a tendência seria que Dilma Rousseff fosse candidata à reeleição. Aí vem outra questão: será que é isso que ela quer?

Dos presidentes pós-redemocratização, Dilma é uma jabuticaba. Não apenas por ser mulher, mas por ser uma política fora dos padrões, por nunca ter disputado outro cargo eletivo a não ser a Presidência. Difícil de imaginar, por exemplo, que depois de entregar a faixa ela queira se encostar no Senado como fizeram José Sarney e Fernando Collor.

Lá se vão 17 meses de mandato e Dilma também tem demonstrado cada vez menos apreço às politicagens inerentes ao cargo. Ela parece ter alergia às reuniões com líderes partidários que levam o nada ao lugar nenhum – ou o seu dinheiro a algum lugar bem longe do seu bolso. Gosta mesmo é de ficar trancada no gabinete falando mal da crise econômica na Europa e fazendo contas para baixar os juros.

Por essas e outras não seria de se estranhar que ela ponha tudo na balança e não queira se candidatar em 2014. Sobra, é claro, Lula. Vale lembrar que, em março passado, ao anunciar que estava curado do câncer na laringe, o ex-presidente declarou que estava “voltando” à política (como se algum dia tivesse saído).

O retorno foi barulhento. Lula assumiu com força total a linha de frente das alianças petistas para as eleições municipais, em especial a candidatura de Fernando Haddad em São Paulo. Em paralelo, se meteu em uma confusão tremenda na tal reunião com Gilmar Mendes.

Difícil saber o que de fato aconteceu no encontro entre os dois. A verdade é que Lula se mexe politicamente por todos os lados. E que nunca escondeu o incômodo provocado pelo mensalão.

Será que precisava se incomodar tanto? Sob o ponto de vista eleitoral, não faz muito sentido. O julgamento, que na melhor das hipóteses vai durar um mês, terá cobertura massiva da imprensa, mas não vai afetar peças-chave da campanha municipal.

Há uma sensação geral de que o PT que “sobrou” após o escândalo foi absolvido nas urnas em 2006 e 2010. Além disso, como alertou no ano passado o ministro-revisor do caso no Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, é provável que boa parte das penas dos possíveis condenados esteja prescrita ao fim do processo.

Encerrado o julgamento, é preciso entender o que vem depois. Se tudo ficar por isso mesmo, com um ou outro condenado a penas irrisórias, acabou a missão de Lula em relação ao mensalão. O que sobra é 2014.Só a partir dessa etapa será possível dizer ao certo se o ex-presidente deseja voltar ao Planalto. No momento, o prognóstico é de empate técnico. Ele tem 50% de chances de ser candidato. Dilma fica com a outra metade.

 

Informe seu email e receba notícias!

Sitevip Internet