Domingo, 22 de Abril de 2018

Mato Grosso

Sexta-Feira, 22 de Dezembro de 2017, 07h:23

Saúde alerta para surto de conjuntivite que já atinge 22 cidades mato-grossenses

A Vigilância Epidemiológica orienta a população a reforçar os cuidados de higiene das mãos e ao sentir os sintomas ir imediatamente até a unidade básica de saúde mais próxima

Redação

Divulgação

A Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado de Saúde (SES) realizou reunião na última quinta-feira (21.12) com técnicos do Laboratório Central (Lacen), das secretarias de Saúde de Cuiabá e de Várzea Grande, servidores do Escritório Regional de Saúde da baixada cuiabana, e técnicos do serviço de Vigilância Ambiental, para definir ações de orientação de tratamento e de prevenção quanto ao contágio de conjuntivite.

A doença foi registrada até esta data em 22 municípios. As secretarias de Saúde desses municípios foram orientadas a iniciarem imediatamente a investigação da doença por amostragem e a notificar no modelo de surto os casos de pacientes com conjuntivite para o Sistema Nacional de Agravos de Notificação (SINANNET), do Ministério da Saúde. Além disso, os municípios deverão realizar o serviço de educação em saúde para a população em geral sobre a doença.

Outra medida importante é a coleta de amostra clínica para a identificação do agente etiológico (vírus ou bactéria). Essa ação auxilia no tipo de tratamento que deverá ser receitado ao paciente, explicou Alba Valéria Gomes de Melo, da Gerência de Vigilância em Doenças e Agravos Endêmicos da SES/MT.

Essa coleta deve ser feita em 24 horas a partir do surgimento dos sintomas (olhos vermelhos, coceira nos olhos, irritação e secreções esbranquiçada ou amarelada), os sintomas demoram a desaparecer, em média até 15 dias, mas a forma de tratamento é diferente em caso de contaminação por vírus ou por bactéria. Em caso de contágio por meio de bactéria é necessário o uso de antibiótico e o paciente deve ser avaliado por oftalmologista.

De acordo com Alba Valéria Gomes de Melo, os municípios deverão realizar a coleta de material para exame laboratorial para verificar se a doença tem relação com a água consumida. Por isso, a partir dos registros, a coleta será feita na forma de sobreposição de dados considerando os locais de registros de casos e a água desses bairros onde residem os pacientes.

As cidades de Cuiabá e Várzea Grande devem realizar essa coleta por terem registrado até o momento o maior número de casos de conjuntivite entre os 22 municípios que fizeram a notificação até esta data.

A Vigilância Epidemiológica orienta a população a reforçar os cuidados de higiene das mãos e ao sentir os sintomas ir até a unidade básica de saúde mais próxima e imediatamente, pois o contágio é muito rápido colocando em risco outras pessoas do convívio da pessoa doente.

Até quinta-feira (21.12), Várzea Grande registrou mais de mil casos de conjuntivite enquanto que em Cuiabá já são mais de 500 casos. Nessa mesma época do ano em 2016, em Várzea Grande, o registro foi em torno de 150 casos.

Conforme dados do SINANNET, do Ministério da Saúde, Mato Grosso tem 1.874 casos da doença registrados neste ano e até esta data. O maior registro de ocorrências foi registrado no ano de 2012, com um total de 2.467 casos da doença no Estado.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO