Terça-Feira, 18 de Dezembro de 2018

Mato Grosso
Quarta-Feira, 09 de Maio de 2018, 10h:44

OPERAÇÃO BERERÉ

MPE pediu afastamento de Eduardo Botelho

Jô Navarro

ALMT

Na segunda fase da operação Bereré, denominada 'Bônus', o Ministério Público pediu o afastamento de Eduardo Botelho do cargo de presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso. O pedido foi indeferido pelo desembargador José Zuquim Nogueira.

O pedido de afastamento foi baseado em documentos e depoimentos prestados na 1º fase das investigações. A operação Bereré desmantelou uma organização criminosa que operava no Detran-MT para desviar recursos públicos.

Eduardo Botelho admitiu publicamente que sabia das irregularidades na empresa de que era sócio e disse se arrepender de não ter saído da sociedade. 

Segundo o MPE, entre 2009 e 2014 o contrato da empresa responsável pelo registro de contratos de financiamentos de veículos junto ao Detran, a FDL Serviços de Registro, Cadastro, Informatização e Certificação Ltda com o Detran, rendeu aos investigados R$ 27.722.877,38.

 No final de fevereiro o desembargador José Zuquim Nogueira (TJMT) determinou o bloqueio de mais de R$ 27 milhões das contas de 17 pessoas e empresas acusadas desviar dinheiro do Detran-MT no esquema investigado na operação Bereré. Dentre os 17 estão o presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, Eduardo Botelho (PSB), o deputado estadual Mauro Savi e o ex- deputado federal Pedro Henry.

1 COMENTÁRIO:

O Dep Eduardo Botelho admitiu publicamente que sabia das irregularidades na empresa de que era sócio, resumindo é réu confesso!!! A sociedade civil organizada não aceita que ele continue a presidindo a Assembleia Legislativa até que todos os fatos sejam esclarecidos, o povo apoia o MPE o GAECO o BOP e pede que ele saia da presidência da Assembleia.
enviado por: Antônio Carlos Gomes Dias Andrade e Silv em 17/05/2018 às 06:30:01
0
 
0
responder

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO