Domingo, 18 de Novembro de 2018

Mato Grosso
Quinta-Feira, 14 de Junho de 2018, 17h:17

OPERAÇÃO BÔNUS

Desembargadores entendem que Mauro Savi poderia camuflar provas e mantêm prisão preventiva

Jô Navarro

Reprodução

Por maioria os desembargadores do TJMT decidiram na tarde desta quinta-feira (14) manter a prisão preventiva decretada contra o deputado estadual Mauro Savi (PSD). A defesado deputado impetrou agravo regimental com pedido de revogação da prisão preventiva decretada pelo desembargador José Zuquim Nogueira no dia 9 de maio na operação Bônus, desdobramento da operação Bereré. 

Acompanharam o voto de Zuquim os magistrados Cleuci Terezinha, Serly Marcondes, Sebastião Barbosa, Nilza Maria Pôssas de Carvalho, Antônia Siqueira, Helena Maria Bezerra, Juvenal da Pereira, Márcio Vidal, Carlos Alberto, Luiz Ferreira, Clarice Claudino, Maria Erotides e Luiz Carlos da Costa, Gilberto Giraldelli, Maria Helena Povoas, Alberto Ferreira. 

Abriram divergência Rui Prado e  Sebastião Moraes.

A operação Bereré, seguida pela operação Bônus, desarticulou organização criminosa que desviava recursos do Detran-MT e relaciona dezenas de beneficiários de repasses dos integrantes do esquema. O inquérito de 248 páginas elenca transcrições de diálogos interceptados com autorização judicial, lista a origem e destinatários de repasses oriundos do esquema que desviou recursos do Detran-MT, mostrando o caminho do dinheiro.

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO