Sábado, 22 de Setembro de 2018

Brasil

Quinta-Feira, 05 de Julho de 2018, 06h:12

FRAUDES NO MINISTÉRIO DO TRABALHO

Ministro do Trabalho é afastado do cargo e PF faz buscas no gabinete de deputado do PTB

Redação

Reprodução

Helton Yomura

A Polícia Federal cumpre nesta manhã de quinta-feira (5) mandado de busca e apreensão no gabinete do deputado federal Nélson Marquezelli (PTB-SP).

A ação é um desdobramento da operação Registro Espúrio, que desarticulou suposta organização criminosa integrada por políticos e servidores que teria cometido fraudes na concessão de registros de sindicatos pelo Ministério do Trabalho.

O ministro do Trabalho, Helton Yomura, foi afastado do cargo pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e está impedido de frequentar o ministério do Trabalho e de manter contato com demais investigados ou servidores da pasta. Ele foi empossado no dia 10 de abril.

Segundo a PF, o papel de Yomura era "viabilizar a ingerência" da deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) na pasta.

Em maio deste ano, a polícia fez buscas nos gabinetes dos deputados federais Paulinho da Força, Jovair Arantes e Wilson Filho, cujas prisões chegaram a ser pedidas pela PF, mas o juiz Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, não autorizou. Naquela ocasião a PF relatou que, segundo as investigações, o "núcleo político" do suposto esquema teria como participantes, além destes deputados, o deputado cassado Roberto Jefferson; o suplente de deputado Ademir Camilo Prates Rodrigues; e os senadores Dalírio Beber e Cidinho Santos (PR-MT), atualmente licenciado do mandato.

Prisões

O STF decretou a  prisão do chefe de gabinete de Yomura, Júlio de Souza Bernardes, do superintendente regional do trabalho no RJ, Adriano José de Lima Bernardo, e de Jonas Antunes Lima, assessor do deputado Marquezelli.

Segundo a PF, as investigações e o material coletado nas primeiras fases da operação Registro Espúrio indicam a participação de novos atores e apontam que cargos da estrutura do Ministério do Trabalho foram preenchidos com indivíduos comprometidos com os interesses do grupo criminoso, permitindo a manutenção das ações ilícitas.

Veja abaixo nota da PF sobre a 3ª fase da Operação Espúrio

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira, 05, a terceira fase da Operação Registro Espúrio, com o objetivo de aprofundar as investigações a respeito de organização criminosa que atua na concessão fraudulenta de registros sindicais junto ao Ministério do Trabalho.

Policiais Federais cumprem 10 mandados de busca e apreensão e três mandados de prisão temporária, expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília e Rio de Janeiro. Além das buscas, a pedido da Policia Federal e da Procuradoria-Geral da República, serão impostas aos investigados medidas cautelares consistentes em proibição de frequentar o Ministério do Trabalho e de manter contato com os demais investigados ou servidores da pasta, bem como a suspensão do exercício do cargo.

As investigações e o material coletado nas primeiras fases da Operação Registro Espúrio indicam a participação de novos atores e apontam que importantes cargos da estrutura do Ministério do Trabalho foram preenchidos com indivíduos comprometidos com os interesses do grupo criminoso, permitindo a manutenção das ações ilícitas praticadas na pasta. 

 

Comentários

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO